Publicado por: osvaldopalmeira | agosto 21, 2010

RECORDAR É VIVER

por Marco Aurélio Mello

A internet tem uma dinâmica própria e o que foi dito ontem pode não ser nada hoje. É assim por causa da velocidade com que as coisas acontecem na rede e sua efemeridade. Comecei a refletir sobre isso depois de ler o texto do Azenha no Vi o Mundo em que ele relembra o que aconteceu às vésperas das eleições de 2006, na redação da maior emissora de televisão do país. Fui testemunha ocular da história e, considerando que muitas pessoas podem não conhecê-la, ou podem estar chegando ao blog só agora, resolvi recontá-la, já que faz tempo que tratei do assunto aqui. Depois das eleições de 1989, quando a emissora saiu desmoralizada, com a confessa manipulação do debate entre Collor e Lula, o Departamento de Jornalismo passou por uma “abertura lenta e gradual”. Durante o processo de impeachment, equipes de reportagem da emissora passaram a ser hostilizadas nas ruas da maior capital do país. Um recado para que algo mudasse. A renovação durou quase dez anos. O jornalismo passou a ser popular, procurar o povo era a regra. Projetos com foco local e comunitário foram implementados e a credibilidade da emissora foi sendo resgatada vagarosamente. Do fim dos anos 90 ao início dos 2000 a emissora viveu sua supremacia absoluta. Foi o momento das grandes coberturas e da adoção de uma visão de mundo mais abrangente. Não que o viés patronal deixasse de existir. Claro que, em vários momentos, o patrão soube exercer influência para defender seus interesses, sobretudo interesses comerciais. Só que era um jogo elegante, cheio de sutilezas. Mas com a morte do patrão e de seu veterano diretor, os herdeiros assumiram o poder e com eles seu novo preposto. Foi aí que as coisas começaram a desandar. Para pior, muito pior. O ápice foi a eleição de 2006. Nunca tinha visto um jornalismo feito daquela forma e, a exemplo de profissionais como Carlos Dorneles, Luiz Carlos Azenha e Rodrigo Vianna, protestei. Não tive pudor em dizer tudo o que achava que estava errado na nossa cobertura a cada um dos responsáveis por ela, ao vivo e por escrito. Insistia que existia um erro editorial! Quatro anos depois, não me arrependo. Hoje tenho certeza de que estava do lado certo. Eles passarão. É apenas uma questão de tempo.

Outros textos do Aurélio você encontra no blog “Doladodelá”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: