Publicado por: osvaldopalmeira | maio 27, 2012

O julgamento do STF pelos meios de comunicação

O julgamento do STF pelos meios de comunicação
Foto: Nelson Jr./SCO/STF

No Brasil, antes que a suprema corte julgue o mensalão, é ela que vem sendo julgada pelos órgãos de imprensa. Veículos que, de certa maneira, agem para também interferir no resultado. Pergunta: o STF vai se submeter à pressão?

247 – A polêmica em torno da suposta pressão exercida pelo ex-presidente Lula sobre o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, para adiar o julgamento do mensalão, é mais um capítulo de uma batalha decisiva, que mobiliza as maiores forças da sociedade brasileira.

Em situações normais, o caso do mensalão deveria ser tratado, como bem definiu o ministro Marco Aurélio Mello, como um processo como outro qualquer. Mas todos sabem que não é – e não será – assim. Trata-se de um julgamento simbólico, que poderá manchar o PT como patrono do “maior escândalo de corrupção da história do País”. E que pode vir a colocar atrás das grades figuras simbólicas da esquerda no País, como, por exemplo, José Dirceu e José Genoíno.

Há, portanto, elementos que extrapolam o campo jurídico em torno do mensalão. O caso é também político e, sobretudo, ideológico. Uma condenação, reforçada pelo simbolismo da imagem de algemas e prisões, às vésperas de um processo eleitoral, poderá vingar uma oposição combalida por maus resultados recentes nas urnas e também revigorar um discurso ético – que se enfraqueceu, nos últimos anos, diante da hipocrisia de figuras como o senador Demóstenes Torres (sem partido/GO).

Quem pressiona quem?

A reportagem de Veja deste fim de semana, de certa maneira, atingiu alguns de seus objetivos, ao colocar na boca do ex-presidente Lula declarações sobre ministros do STF. Declarações que, segundo o anfitrião do encontro, Nelson Jobim, não foram feitas, mas que colocam pressão sobre alguns ministros do STF.

De acordo com a reportagem, Lula teria dito que o ministro José Antônio Dias Toffoli “tem de participar do julgamento”. Isso significa que, segundo Veja, Toffoli deve se declarar impedido, por já ter advogado para o PT no passado.

Sobre Carmem Lúcia, Lula teria ainda afirmado que falaria com Sepúlveda Pertence, responsável por sua indicação, para “cuidar dela” – o que foi negado por Pertence. De todo modo, a declaração coloca sob suspeita a independência da ministra e o mesmo pode ser dito de Ricardo Lewandowski. A respeito dele, Veja atribuiu a seguinte frase a Lula: “Ele só iria apresentar o relatório no semestre que vem, mas está sofrendo muita pressão”.

Lula não foi ouvido por Veja e Jobim negou que tenha se falado sobre o julgamento do mensalão. Ainda que Gilmar Mendes estivesse dizendo a verdade, seria, de certa forma, temerário atribuir frases textuais a Lula, puxadas apenas da memória de Gilmar, de um encontro realizado há um mês. Ao afirmar, portanto, que é Lula quem pressiona Lewandowski a não entregar seu relatório, Veja faz o inverso. Pressiona Lewandowski a entregá-lo já.

O que foi o mensalão?

Em 2002, a campanha que levou Lula à presidência da República custou cerca de R$ 200 milhões. Dela, o PT saiu com uma dívida aproxima de R$ 55 milhões, que foi cobertas com empréstimos dos bancos Rural e BMG, numa operação arquitetada pelo empresário Marcos Valério de Souza, que já havia testado esse modelo em Minas Gerais, operando com o então governador tucano Eduardo Azeredo e seu vice Walfrido dos Mares Guia.

Ao emprestar recursos para o PT, Rural e BMG tinham a expectativa de fechar grandes negócios com o governo federal. O BMG, de fato, se tornou um dos maiores no crédito consignado. O Rural pretendia levantar a intervenção do Mercantil de Pernambuco e depois incorporá-lo. A evidência de uso de dinheiro público foi o repasse de recursos da Visanet, uma empresa coligada ao Banco do Brasil, às agências de Marcos Valério, sem a devida comprovação de gastos publicitários.

Parlamentares recebiam mesadas para votar com o governo? Isso não ficou comprovado. Mas pagar dívidas de campanha passadas e organizar despesas de campanhas futuras é sim uma maneira de garantir apoio parlamentar, seja no Congresso Nacional, seja nas assembleias legislativas estaduais ou câmaras de vereadores espalhadas pelo país.

O que ocorreu foi grave? Gravíssimo. Será julgado em termos estritamente jurídicos? Caberá ao STF demonstrar, sem submeter às pressões políticas ou midiáticas – que, no fundo, também são políticas.

Fonte: http://brasil247.com/pt/247/brasil/61442/O-julgamento-do-STF-pelos-meios-de-comunica%C3%A7%C3%A3o.htm

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: